Hoje faz seis meses que somos pais de quatro.

Hoje faz seis meses que somos pais de quatro. Ter um quarto filho é muito diferente de ter um primeiro ou um segundo mas nunca pensei que fosse tão diferente de ter um terceiro.

As pessoas na rua arregalam os olhos: “quarto?!?” – dizem uns, “Tão novinha.. ” – dizem outros, abanando a cabeça, como se fosse uma fatalidade que me aconteceu por não ter tomado as devidas precauções.

Os amigos dizem que somos uns corajosos, a família diz que somos loucos, os médicos e enfermeiras acham que já não têm de nos explicar nada pois já sabemos, concerteza, tudo sobre gravidez, parto e puerpério (“ainda por cima a mãe é psicóloga…”)
Existe de facto alguma descontração num quarto filho, embora nunca tivéssemos sido uns pais muito stressados (lembro me bem de mentir à enfermeiras relativamente ao tempo de amamentação do nosso primeiro filho quando percebi que elas achavam que 3 minutos era pouco mas eu tinha a certeza que ele estava bem…)
Num quarto filho ninguém nos fala sobre como se deve amamentar, ninguém pergunta sobre os nossos receios e ansiedades, ninguém nos quer ensinar a dar o banho – tive de explicar que não era brincadeira que não me lembrava MESMO como se dava banho a um recém nascido.

Enfim, percebi que ser mãe de quatro é uma condição diferente. Para o bem e para o mal. Às vezes perguntam-me como é ter quatro filhos, à espera que responda “é muito cansativo.. ” e se eu responder isto oiço um “pois, imagino…” Mas se eu disser ” bem é muito, muito bom! ” vão achar que eu não bato bem da cabeça “lá está ela, eu sempre achei que ela era meia doida” (Ok talvez tenha exagerado em ter ido à festa de aniversário do Lux na véspera da Jasmim ter nascido…)

Mas claro que é cansativo, só que às vezes sinto que o cansaço está muito sobrevalorizado. Não lhe podemos dar muita importância, senão não fazemos nada. A vida não é para ser simples, é para ser intensa e para ser intensa claro que vai trabalho.

Desde o dia em que me aparecem 3 cabecinhas loiras pelo hospital adentro, de olhos brilhantes a verem a irmã mais nova pela primeira vez, percebi que lhes estou a dar das melhores coisas que eles podem ter, amor de irmãos e uma casa cheia. Não me importo de ficar cansada no fim do dia, de não lhes poder proporcionar uma universidade no estrangeiro, férias na eurodisney ou todos os brinquedos que eles gostariam de ter.
Hoje, seis meses passados com 4 filhos tenho a certeza que foi isto que imaginei para a minha família, que é com muito amor e orgulho que estamos a ver crescer quatro irmãos que se adoram, que se odeiam, que brincam juntos, que riem juntos, que têm ciúmes uns dos outros, que discutem, que se atropelam para ser os primeiros a fazer xixi, que ficam a conversar até adormecer, que pegam a mana ao colo sem jeito nenhum, que vibram como nós com as conquistas uns dos outros, que falam todos ao mesmo tempo.

Não sei se estou a dar a atenção que queria a cada um deles, não tenho o tempo que queria para me sentar a construir legos com um deles como tinha com um só, muitas vezes o mais velho faz os trabalhos de casa sem nós o conseguirmos ajudar, às vezes não sei se lavaram os dentes, se as meias estão certas, às vezes sinto que dei mais atenção a um do que a outro e fico desfeita, tento compensar, às vezes tentar compensar ainda é pior, às vezes não tenho a certeza se puseram bem as cuecas, se a mochila foi pronta para a escola. Mas sei que quero mimá-los, quero enchê-los de amor a cada um como se fosse o único. Sei que provavelmente não os estou a preparar para uma carreira de sucesso, serem lideres ou génios, mas tenho a certeza que os estou a preparar para o amor.

Hoje os parabéns são para eles os quatro.

Obrigado à Maria por nos permitir partilhar esta mensagem do seu blog "seis mais dois". Identificamo-nos muito com este post.

https://cincomaisdois.wordpress.com/